Bullying na Escola: Qual Providência Tomar?




Bullying é o termo usado para qualquer agressão física ou verbal feita por uma ou mais de uma pessoa contra outra pessoa, sejam estas agressões voltadas contra o tom de pele, comportamento ou forma de se vestir de uma pessoa. Se for uma vez apenas que tais agressões aconteçam dizemos que é uma situação isolada. Para ser caracterizado como bullying precisa acontecer repetidamente e por um período extenso de tempo.

Infelizmente o bullying não possui local para acontecer, basta que um grupo ou apenas uma pessoa resolva que outra não se adéqua a sua forma de viver e não gosta do que ela veste ou faz e começar os xingamentos. Ele pode surgir no ambiente de trabalho, entre vizinhos e mais comumente na escola, onde as relações sociais são importantes para a vida das crianças e por isso este ambiente deve ser analisado com mais cuidado.

O período escolar é um dos momentos mais importantes para as crianças e por isso é preciso tanto cuidado. Enquanto os adultos saem para trabalhar, festas e happy hour, as crianças e adolescentes fazem tudo isso, mas em sala de aula e na hora do recreio. É na escola que estão os principais amigos,  o ambiente social e local em que a criança precisa ser aceita. Quando isso não acontece é que surgem os traumas de infância que podem marcar a vida toda do pequeno.

Bullying na Escola

Para a criança toda a sociedade está na escola e por isso as relações e como elas se desenvolvem são tão importantes no período escolar.

Como saber se meu filho sofre bullying

O primeiro passo para tomar providências é saber se seu filho, irmão ou colega sofre bullying na escola. Para saber se há algum problema nas relações sociais, veja alguns sinais:

– a criança não sente tanto prazer de ir na escola. Começa a inventar desculpas para não ir na escola, doenças e em alguns casos até chora pedindo para ficar em casa. Nos casos mais graves pede para que os pais a mudem de escola.

– as notas no boletim escolar começam a cair.

– a criança começa a falar de mudanças de cidade, Estado. Esta é uma medida protetora inconsciente das crianças: elas pensam que se tudo mudar vai ser perfeito e elas vão se livrar do problema.

– querem aprender artes marciais ou a brigar. 

– mudam a forma de se vestir de forma brusca (no caso dos adolescentes). Este é um sinal de que ela esta abandonando seus desejos para querer se enturmar e algo está errado.

Bullying na Escola

Há diversos sinais que pode ajudar os pais a saber se seu filho está sofrendo Bullying na Escola

O que fazer se seu filho está sofrendo Bullying na Escola

A primeira medida pode ser dá um tempo para que seu filho resolva sozinho. Converse com ele e aguarde uma semana para que ele possa conversar ou se entender com seus coleguinhas. Uma intervenção dos pais brusca e de professores pode causar uma sensação de incapacidade no pequeno e em alguns casos não é a melhor saída.

Converse bastante com seu filho sobre o assunto. Primeiro escute o que está fazendo os colegas pegarem no pé dele e veja se é um motivo que vale a pena investir mais em uma mudança. Se for um óculos com grau forte pode ajudar a mudança para uma lente de contato em caso de um adolescente com mais de 15 anos, ou uma bolsa melhor caso esta seja o motivo das piadas. As vezes pequenas soluções podem ajudar a resolver o problema.

Converse com os diretores e professores. Todos os xingamentos e até medidas violentas estão acontecendo em sala de aula e os professores devem tomar uma providência. Caso seja necessário, mude seu filho de sala de aula ou de escola, caso seja caso de violência. Procure também os pais dos outros alunos para que medidas sejam tomadas e, casos estes não se importe, contacte as autoridades.

Bullying na Escola

Bullying na Escola

Trabalhe com seu filho o assunto

Quando o bullying a criança tende a se ver bem diferente. Na maior parte dos casos ela se sente especial, inferior ou até mesmo como se não fizesse parte do meio social o qual está inserido. É preciso trabalhar em casa ou com ajuda de terapia o assunto, mostrando para o pequeno que ele não é diferente de qualquer criança, é apenas do seu jeito. Todos somos diferentes, apenas algumas crianças que não percebem isso por seus próprios problemas ou em seu núcleo familiar.

 Recomendamos o Curso

Vale muito a pena, já ajudou diversos casos!

Este site lhe foi útil? Clique no G+1. É muito importante pra nós. Obrigado!
Revenda Roupas

29 Comentários

  1. ana says:

    Ola, hoje fui comer pizza com duas amigas e seus filhos e durante a conversa uma das criancas veio m.mostrar um grupo d whats app onde um menino d turma xinga e aconselha outras criancas a nao fazer mais par com meu filho nem em provas e trabalhos, pois fizeram provas juntos e elw alega q meu filho nao fez nada, e detalhe meu filho tem TDAH depressao e ansiedade infantil com laudo e oreintacao p.prova adaptada, e eles deram essa prova, n quinta feira vou n escola bem cedo e vou cobrar uma posicao d escola.

  2. john peter says:

    boa noite . no caso é minha irma que foi insultada pela professora e deixou minha irmã super desanimada .. e queria saber quais são providencia que devor toma ?

  3. Cecília says:

    Presidência da República
    Casa Civil
    Subchefia para Assuntos Jurídicos

    LEI Nº 13.185, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015.

    Vigência
    Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying).
    A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

    Art. 1o Fica instituído o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) em todo o território nacional.

    § 1o No contexto e para os fins desta Lei, considera-se intimidação sistemática (bullying) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.

    § 2o O Programa instituído no caput poderá fundamentar as ações do Ministério da Educação e das Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, bem como de outros órgãos, aos quais a matéria diz respeito.

    Art. 2o Caracteriza-se a intimidação sistemática (bullying) quando há violência física ou psicológica em atos de intimidação, humilhação ou discriminação e, ainda:

    I – ataques físicos;

    II – insultos pessoais;

    III – comentários sistemáticos e apelidos pejorativos;

    IV – ameaças por quaisquer meios;

    V – grafites depreciativos;

    VI – expressões preconceituosas;

    VII – isolamento social consciente e premeditado;

    VIII – pilhérias.

    Parágrafo único. Há intimidação sistemática na rede mundial de computadores (cyberbullying), quando se usarem os instrumentos que lhe são próprios para depreciar, incitar a violência, adulterar fotos e dados pessoais com o intuito de criar meios de constrangimento psicossocial.

    Art. 3o A intimidação sistemática (bullying) pode ser classificada, conforme as ações praticadas, como:

    I – verbal: insultar, xingar e apelidar pejorativamente;

    II – moral: difamar, caluniar, disseminar rumores;

    III – sexual: assediar, induzir e/ou abusar;

    IV – social: ignorar, isolar e excluir;

    V – psicológica: perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, manipular, chantagear e infernizar;

    VI – físico: socar, chutar, bater;

    VII – material: furtar, roubar, destruir pertences de outrem;

    VIII – virtual: depreciar, enviar mensagens intrusivas da intimidade, enviar ou adulterar fotos e dados pessoais que resultem em sofrimento ou com o intuito de criar meios de constrangimento psicológico e social.

    Art. 4o Constituem objetivos do Programa referido no caput do art. 1o:

    I – prevenir e combater a prática da intimidação sistemática (bullying) em toda a sociedade;

    II – capacitar docentes e equipes pedagógicas para a implementação das ações de discussão, prevenção, orientação e solução do problema;

    III – implementar e disseminar campanhas de educação, conscientização e informação;

    IV – instituir práticas de conduta e orientação de pais, familiares e responsáveis diante da identificação de vítimas e agressores;

    V – dar assistência psicológica, social e jurídica às vítimas e aos agressores;

    VI – integrar os meios de comunicação de massa com as escolas e a sociedade, como forma de identificação e conscientização do problema e forma de preveni-lo e combatê-lo;

    VII – promover a cidadania, a capacidade empática e o respeito a terceiros, nos marcos de uma cultura de paz e tolerância mútua;

    VIII – evitar, tanto quanto possível, a punição dos agressores, privilegiando mecanismos e instrumentos alternativos que promovam a efetiva responsabilização e a mudança de comportamento hostil;

    IX – promover medidas de conscientização, prevenção e combate a todos os tipos de violência, com ênfase nas práticas recorrentes de intimidação sistemática (bullying), ou constrangimento físico e psicológico, cometidas por alunos, professores e outros profissionais integrantes de escola e de comunidade escolar.

    Art. 5o É dever do estabelecimento de ensino, dos clubes e das agremiações recreativas assegurar medidas de conscientização, prevenção, diagnose e combate à violência e à intimidação sistemática (bullying).

    Art. 6o Serão produzidos e publicados relatórios bimestrais das ocorrências de intimidação sistemática (bullying) nos Estados e Municípios para planejamento das ações.

    Art. 7o Os entes federados poderão firmar convênios e estabelecer parcerias para a implementação e a correta execução dos objetivos e diretrizes do Programa instituído por esta Lei.

    Art. 8o Esta Lei entra em vigor após decorridos 90 (noventa) dias da data de sua publicação oficial.

    Brasília, 6 de novembro de 2015; 194o da Independência e 127o da República.

    DILMA ROUSSEFF
    Luiz Cláudio Costa
    Nilma Lino Gomes

  4. Cecília says:

    Neste ano letivo, está valendo em todo o país o Programa de Combate ao Bullying, que foi instituído pela Lei nº 13.185. Essa legislação, que entrou em vigor no dia 7 de fevereiro, obriga estabelecimentos de ensino, clubes e agremiações recreativas a fazer campanhas educativas contra o constrangimento físico e psicológico, comum entre crianças e adolescentes. A lei não pune aqueles que praticam o bullying. Ao invés disso, são as instituições que se recusarem a fazer ações preventivas que podem ser responsabilizadas por omissão e negligência. A lei foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff em novembro de 2015.

    Dá processo

    Além de não ser brincadeira, o bullying pode terminar em processo judicial. Tanto a pessoa que sofre o constrangimento (ou violência) quanto seus responsáveis legais podem entrar na Justiça e os agressores podem sofrer medidas socioeducativas ou pagar indenizações por danos materiais ou morais.Agora, os estabelecimentos onde ocorreu o bullying podem também ser processados por omissão, caso não tenham feito as medidas educativas previstas em lei.

    Também é comum que o bullying venha junto de preconceito e discriminação. Em muitos casos a agressão é acompanhada de apelidos por conta da cor da pele, tipo de cabelo, gênero e deficiências físicas. Segundo o advogado Márcio Chaves, essas ofensas são agravantes e devem ser tratados como tal. Assim, caso o bullying tenha também discriminação, os agressores podem receber “a pena mais grave”. Caso caracterize por exemplo uma injúria racial,por exemplo, a pena pode ser reclusão por até 3 anos; caso caracterize conduta discriminatória dirigida a um grupo ou coletividade, a pena pode ultrapassar 6 anos.

  5. Cecília says:

    Olá a todos, minha filha de 4 anos vinha sofrendo constantes agressões físicas/ verbais na escola (bullying) só que até a última segunda-feira de 31/10/2016 eu induzida pela direção do colégio acreditava que aquilo era coisa de criança e que era normal. Até que a minha filha não aguentando mais surtou na escola e cortou o próprio cabelo o que a direção/professora disse ser normal. Bem fiquei enlouquecida com o fato liguei para o 190 para pedir ajudar quando o atendente me explicou que aquilo era Bullying e que minha filha esteva doente psicologicamente por causa de tudo que vinha sofrendo e que eu deveria fazer um B.O na delegacia, entrar com um processo cível contra escola, e com reclamação na Secretaria de Educação do meu município. Além de imediatamente procurar um Neuro-psiquiatra para começar o tratamento. Já comecei a fazer tudo isso é não vou sossegar até que eles sofram as devidas punições.

  6. valeria machado dos santos says:

    o meu filho tambem sofre buly devido da voz dele estou passando pelo um processo que de vez em quando eu vou a escola reclamar com os diretores eles nao resolve nada inclusive essa semana o aluno perguntou o professor se o meu filho e viado e muito triste para mim saber que a escola nao tem essa capacidade de reunir os alunos para falar que bulhy e crime orientar que isso nao se faz com um colega na sala de aula

  7. magali says:

    meu filho passou por esse problema,ja tem mais de um ano que estou na luta com ele .
    faz tratamento com psicologa ,mais infelizmente a direçao da escola me denunciou no conselho tutelar por causa das faltas do meu filho.Fiquei chocada com a falta de ajuda da direçao ,eu ainda nao fui procurar os direitos do meu filho, estou tentando resolver ,sou pai e mae dele .ele ficou mto mal por causa do do que sofreu. E pra piorar tudo começou com preconceito da propria professora dele. Olha nao desejo isso pra ninguem, meu filho ainda sofre mto. E a escola nao ajuda em nada , so sabem me denunciar no conselho tutelar. Estou mto chateada com atitude da diraçao . Espero que um dia isso passe, ver um filho sofrer e mto triste.

    • Hevelyn says:

      Olá, passei pela mesma coisa, só que partiu da diretora da escola durante uma reunião escolar ao discriminar minha filha de 4 anos, minha filha perdeu o ano letivo e faz tratamento psicológico e estamos em um processo longo e demorado. Força e corra atras dos seus direitos, não tem como voltar atras e apagar o que aconteceu mas podemos evitar que aconteça com outras crianças e matando essa cultura do bulling.

  8. alex says:

    nao tou aguentado to soflendo bullixg

  9. Leiliane sousa says:

    Eu acho errado mudar a criança de sala de aula ou até mesmo de escola ..pois vai encorajar mais ainda aquela criança que está cometendo o bullyng .
    E quem sofre vai enviar a sempre se esconder ou fugir dos problemas.
    Meu filho essa semana revelou que está sofrendo bullyng por conta do peso ele tem 11 anos,não gosto nada de saber q meu filho está passando a mesma coisa que um dia passei..pois é um trauma que levará por resto da vida.
    Meu filho não é santo,mas ninguém tem o direito de fazer piadas sem graça com ele ou com qualquer outra.
    Já falei com os professores dele…até agora nada foi resolvido vou conversar agora com a diretora se possível vou exigir uma reunião de pais para colocar o assunto em pauta é chegar a uma solução.
    E se isso não for ainda o suficiente para resolver …colocarei a justiça no caso..pois isso hj em dia pode se sim ser caso de polícia.

    • Minha filha essa semana sofreu bullyng pela professora pois ela veio me conta hoje por causa do caderno dela que era pequeno a professora perguntou pra ela oque ela tava fazendo na escola se os pais nao podiam comprar um caderno grande .os amiguinhos de sala fikou tirando sarro dela ela e uma criança de 5anos

  10. Bruno says:

    Eu sofri muito bullying qdo eu era criança. Era terrível, mas naquela época ninguém se umportava com isso. Tratavam como “coisa de criança”, mas quem sofreu lembra bem como era difícil.
    Eu, sinceramente, acho que a ÚNICA forma de fazer o bullying parar é com uso de violência. Comigo só parou depois que briguei com um dos que me faziam mal. Infelizmente, ntexiste outro jeito. CONVERSA NÃO ADIANTA.

  11. CÍntia nascimento says:

    O que faz . E qual o papel da escola neste caso.

  12. CÍntia nascimento says:

    O que devemos faz. E qual o dever da escola neste assunto.

  13. Lucinéia says:

    Bom dia! Meu filho tem 13 anos e começou a fazer bullying com outras crianças, realmente não sei o que fazer. Atualmente as maiores vitimas dele é o próprio irmão e seu amigo mais antigo.
    Tenho conversado muito com ele mas parece que não esta funcionando, tenho mais três filhos e isso não é a realidade dos outros, muito pelo contrario por serem negros são eles é quem sofrem o bullying.
    Preciso de uma ajuda.
    O que devo fazer?

  14. MHYSA CABRAW PHYLON says:

    OLHA EU TENHO 14 ANOS EU SOFRO MUITO BULLY E EU CANSEI DISSO EU VOU DENUCIAR

  15. MHYSA CABRAW PHYLON says:

    EU SOFRO MUITO BULLY NA MINHA ESCOLA E EU REALMENTE QUERIA QUE ISSO MUDASÍE E ENTÃO EU IMPLORO POR FAVOR POR AJUDA O NOME DA ESCOLA É U,I,RAIMUNDO ,DOS,REIS ,CAVALCANTE ,LOCALIZADA EM FERRO VELHO SANTA LUZIA

    • Walter Divo says:

      MHYSA CABRAW PHYLON, pesquisei aqui na internet… nao consta telefone e nem email da sua escola senão eu mesmo teria feito a denúncia por aqui… oriento voce a procurar a direção da escola, avise seus pais também, pois só assim os outros alunos irão aprender alguma lição, não tenha vergonha de denunciar ok

  16. Elidia Zonta says:

    Olá meu filho tem cinco anos ta sofrendo bullying na escola por causa do peso ele e gordinho e os coleguinhas fica colocando apelido nele. Já conversei na escola para pode orientar essas crianças a respeito. Mas ele anda chateado até comigo tento conversar com ele a respeito do assunto e mostra suas qualidades e falo que todos nos somos diferentes e que ele tem q gosta dele do jeito q ele é . To preocupada preciso de orientação de como pode falar com ele e fazer ele se sentir bem. obrigada

  17. Gil says:

    Oi meu filho sofre bullying na escola desde os 5 anos de idade já estou desesperada e quero poder ajudá-lo, pois era uma criança feliz e gostava muito de ir a escola, só que sempre que as outras crianças estavam brincando ele pedia e diziam que ele não; hoje com onze anos esta isolado não quer mais brincar desistiu de pedir já que toda vez que saia para brincar saía e em seguida voltava chorando isso me partia o coração, hoje ver o meu filho isolado e sem nenhuma vontade de ir a escola me dá muita tristeza, todos os dias volta desanimado fizendo que um dos “amiguinhos” bateu nele estou sem saber como reagir não sei se existe algum órgão que cuide deste tipo de situação, se existe por favor me falem qual é e qual o procedimento que devo tomar.
    Desde já agradeço muito esse é um apelo de uma mãe desesperada.

  18. Sheila Messias says:

    Olá tenho um filho de 14 que está sofrendo bulling na escola gostaria de saber quais medidas legais podem ser tomadas pela mesma e pelos pais?

  19. Amábile Fávaro Marianno da Silva says:

    Olá, meu filho tem 10 anos e sofre bullying na escola, um aluno da sala dele que não tem ninguém, nem pai nem mãe, vive sobre os cuidados de um abrigo, pois bem, pelo simples fato do meu filho não se misturar na bagunça dele, ele se junta com mais outros e começa a xingar meu filho de palavras de baixo calão,ja fui até a direção que disse tomar as providências cabiveis, só que a tal “providencia” foi simplesmente conversar com o aluno no qual piorou a situação. Meu filho não quer ir para escola, inventa doenças, pede para mudar de escola e as vezes até chora pedindo para não ir à escola… Nesse caso quais providências eu devo tomar? E mais esse aluno mexe não só com meu filho mais sim com várias outras crianças…. Ele é basicamente um menino de rua…. Me ajude não sei mais o que fazer e nem a quem recorrer…
    Obrigada!

    • Equipe says:

      O ideal seria procurar a diretoria da escola e como os outros alunos nao vao parar, pode ser necessário mudar o aluno de escola para lhe dar a chance de um novo começo.

  20. Gláucia monteiro says:

    Meu filho tem 10 anos, e chegou em casa chorando desesperadamente da escola e fui perguntando o que foi que aconteceu o mesmo me diz que não queria ir mais na escola, nem nos passeios que estão agendados pela escola, depois que ele ficou mais tranquilo fui conversar com ele o que houve e o mesmo me diz, que na saída da aula os colegas fizeram uma pergunta que ele não entendeu então eles disseram é sim ou não? O mesmo não sabia o que responder disse: sim, AI COMEÇOU A ZOAÇÃO CHAMANDO ELE DE MULHERZINHA DE PERERECA QUE SAI SANGUE. E ele não teve reação nenhuma, me filho estuda nesta escola desde os 3 aninhos já penso que é hora de mudar, vou procurar a direção e comunicar o fato ocorrido junto vou levar a lista dos nomes dos colegas. E vou dizer para direção se isso repetir com ele vou processar a escola. O que faço? to certa na decisão que tomei.

  21. joao gabriel says:

    quem saber essa informaçao de quando sofre bule me liga 0153884375703 ou 0413891103976 aguardo sua ligaçao

  22. joao gabriel says:

    oi quando sofree bule quais providencis deve ser tomadas

  23. mari says:

    Quero saber se é bully,quando um funcionário da escola fala oi um por um e pula um e não fala com ela isto é bully.

    • aninha :) says:

      Bom dia Mari.. Olha,nesse caso vejo cm forma de preconceito sim! Como desnecessário da outra parte agir assim,por mais q ela pense q não,está sendo observada por colegas e seus supervisores q espero não concordarem com sua ação!!Mas o mal das pessoas é achar q não se deve cumprimentar alguém q não queira por motivos de orgulho,magoas ou outros fatores.Porém tem dever e obrigação em manter a política de bom relacionamento no trabalho sim.. Por mais q não goste,afinal é seu emprego q está em jogo mesmo q ele não ligue pra sua reputação!!! E enquanto aos comprimentos da pessoa anjo,mesmo q em você doa,não ligue seja forte pq você é capaz de sobreviver sem eles não é? 🙂 Lembre-se smp de fazer a “sua” parte..Entrega a DEUS e ore muito!!!!

  24. Fabyasoul says:

    Hoje eu tenho 36 anos, mais quando era criança ja sofrir muito com bullying, que hoje tem um nome, no meu tempo não tinha, mais como nós anos atrás e nos dias de hoje o bullying é tratado com indiferença, na minha visão não é tratado com a importancia que deveria, gostaria de saber se ha alguma providência legal e que seja com eficacia?

Deixe um comentário